A mais bela, a mais pura e a mais duradoura glória literária de prosa da blogosfera

.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Reparos

Pouco falta para o dia 25 de Dezembro, dia de Natal, dia de celebração. Tal como este, outro 25 foi verdadeiramente importante para as noções de sociedade e liberdade que hoje temos, o de Abril. A história do 25 de Abril já todos a conhecemos e longe de mim querer dar-vos agora uma aula de História pois, quando muito se fala, pouco se diz. Depois dos nossos avós e pais, a geração a que os opinadores deste blog pertencem foi uma das privilegiadas no que diz respeito a crescer sem restrições desconsideradas e, provavelmente, com o problema oposto ao da censura, o da liberdade em excesso que é o que, actualmente, tende a preocupar as famílias portuguesas quando se trata de educar os seus descendentes.
Acontece que, depois de ser proclamada a liberdade e, principalmente, a liberdade de expressão e pensamento, cada um passou a ter todo o espaço desejado para dizer o que bem lhe apetecia e da forma que melhor lhe convinha, sempre ancorado na ideia de estar legitimamente a exercer o seu direito de expressão. Então, revistas, jornais, livros e, numa óptica mais moderna, blogs e sites passaram a criar correntes de opinião diversas e personalizadas, mediante as crenças e fés que os seus criadores seguiam.
A partir deste momento, o problema maior já não era o da censura, mas o do excesso de expressão. Porque cada um pode agora dizer o que bem entende abrem-se precedentes a criticas que roçam o desagradável e se desviam, na maior parte das vezes, do que de facto se discute. Porque se criam classes e estereótipos e, quando se parece A é estranho pensar-se como B. E porque as pessoas não estavam, aparentemente, preparadas para passar de 8 para 80 e a pretensão de se pensar sempre melhor do que o outro, confronta-se com a liberdade desse declarar abertamente as suas ideias.
No Opinador de Veludo, como em muitos outros blogs, defende-se a liberdade de expressão, a democracia e todos esses valorosos institutos que o 25 de Abril nos proporcionou e, segundo os quais, aprendemos a crescer. Procura trazer a quem o visita várias visões do mesmo, várias opiniões de acordo com as tendências políticas ou crenças que cada um dos seus colaboradores segue, daquilo que o preocupa na sociedade e dos problemas que enfrenta a todos os níveis. Chega a hora então de, como contribuinte e responsável pelo departamento "textos não tão interessantes assim sobre temas menos relevantes e desligados muitas vezes da política e situação financeira do país", fazer aquilo que de melhor sei fazer e que combina tão bem com a minha condição: um reparo.
Caros colegas opinadores do sexo masculino, como espaço de eloquência e liberdade de explanação de ideias que este pretende ser, em que se defende heroicamente a abolição total do lápis azul, muito se devem deleitar o nossos leitores com os brilhantes textos que, genialmente floreados, ambos publicam em contra-ataque quando, tantas vezes, discordam das opiniões que um ou outro decidem registar. No entanto, de acordo com a minha ideia de liberdade de expressão, não me parece de bom tom que violem este respeitoso sítio para se digladiarem, repetidamente, quando não concordam com as convicções um do outro fazendo-me crer que, na verdade, não têm é boas ideias para escrever e se aproveitam do que um diz para, quando calha ao outro, terem algo para escrever. Chegou a hora, caros amigos, de se respeitarem e respeitarem a bolha de liberdade que cabe a cada um de vocês e, na hora de apontarem o dedo e gritarem a plenos pulmões: "És um imbecil, não concordo nada contigo!" usarem esse tão bonito mecanismo que vem sendo totalmente negligenciado neste blog: o comentário. É verdade, ele existe, é só escreverem lá e pronto, escusam de gastar 3 ou 4 textos para se contra-atacarem, que isso não é digno de Lord ou de tão bem-falantes Drs. Resolvam essas maçadoras picardias no campo de duelo ou onde bem entenderem e deixem de ser presunçosos Srs.!

Agora expulsem a voz da verdade, mas estava na hora de alguém vos puxar as orelhas em público.

3 comentários:

Street Fighting Man disse...

clap, clap, clap!
a opinião deve estar à frente das picardias e ao invés de picardias virem disfarçadas de opinião.
pessoalmente, confio na assertividade e inteligência dos membros deste blog. e espero poder continuar a contar com a opinião de todos eles. mas se possível sem todos os direitos de resposta. porque, vejamos, este blog tem 4 membros activos: se todos eles começarem a apontar as falhas dos anteriores posts de cada um, ainda estaremos perante um simpático blog de opinião? ou perante um exclusivo clube de combate on-line?

um bem haja a todos os opinadores ;)

Joana Banana disse...

vou tentar defender os outros opinadores, q eu ja costumo ser ranhosa.

parece-me que querem apenas recriar a ideia do folhetim. tempos de Eça idos e afins. sim, depois pôde evoluir-se pra um "o Dantas cheira mal da boca" e a Natália Correia tem mais pinta a aproveitar-se das infantilidades conservadoras de alguém.
sim, os textos são gigantescos o que torna complicado acompanhar e absorver tudo. tenho esse reparo a fazer, mas na verdade, na falta de debate imediato, temos isto.

Lord Nelson disse...

Oh Madame, mil desculpas...

De facto não costumo usar a caixa de comentários. Mas isso é mal geral neste blog lol!

Pronto então vamos semear a concordia aqui e não vou responder ao Dr. Carlos (mas foi ele que começou, hein?)

Ta ta!