A mais bela, a mais pura e a mais duradoura glória literária de prosa da blogosfera

.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

A ETA, Portugal e Olivença

Nota ao leitor: Este texto foi previamente aprovado pelo Dr. Carlos, até porque não diz mal do Sr. Eng. Sócrates.




.
O Opinador defende com unhas e dentes a integração da cidade de Olivença em território português. A ocupação espanhola deste território é manifestamente ilegal pois viola o acordado no Congresso de Viena, em 1815...
Com efeito, o documento resultante, assinado também por Espanha, reza o seguinte:
.

  • "As potências, reconhecendo a justiça das reclamações formuladas por S.A.R. o Príncipe Regente de Portugal e do Brasil, sobre a vila de Olivença e os outros territórios cedidos à Espanha pelo Tratado de Badajoz de 1801, e visando a restituição desses objectos, como uma das medidas apropriadas a assegurar entre os dois reinos da península [Ibérica], aquela boa harmonia completa e estável que deve ser mantida entre todas as partes da Europa, … de seus arranjos, se engajam formalmente a empregar dentro das vias de conciliação os seus esforços os mais eficazes, a fim de que o regresso dos ditos territórios em favor de Portugal seja efectuado; e as potências reconhecem, ainda que isso de qualquer uma delas, que este arranjo deva ter lugar o mais prontamente possível."

-
Nestes termos, o Opinador entende que Olivença é parte integrante da Nação Portuguesa.
-

Posto isto, a recente descoberta de uma base operacional da ETA na bonita cidade de Óbidos, deu a este vosso servidor o elemento que faltava para deslindar um plano para a Reconquista de Olivença – e chatear alguns espanhóis.
.

Tal plano contará com 3 grandes fases:

  1. Negociar com a ETA a compra dos 700 kg de explosivos que estavam em Óbidos, dos quais a organização basca é legítima proprietária, tendo até, segundo apurado pelo Opinador, facturas de compra dos diversos ingredientes;
    Importará também realizar breves acções de formação para dotar os nossos operacionais dos necessários conhecimentos técnicos (os formadores da ETA deverão possuir CAP válido).
  2. Construção da linha de TGV entre Lisboa e Madrid, sendo necessário que a linha passe perto de Olivença, de forma a possibilitar as operações tácticas referidas em 3 (são aqui retiradas todas as criticas por nós feitas a esta obra pública).
  3. Dividir os explosivos em pacotes individuais de 1kg, amarrar os ditos pacotes ao lombo de roliços suínos, transportá-los pela linha de alta velocidade – prós espanhóis não terem tempo para reagir – até Olivença, que invadiriam.
    Com esta fase concluída, faríamos explodir os nossos bravos amiguinhos suínos (bem como os Espanhóis) e depois era só entrar com a fanfarra, tocar o hino e comer as bifanas!
    .

Assim se faria justiça e juntaríamos Olivença com a mãe Pátria da qual foi tão vilmente separada! E também era um dia bem passado, com fanfarra e muitas bifanas à disposição.

.
Não se preocupe o amigo leitor por este texto ter sido tornado público porque os espanhóis não sabem línguas estrangeiras… O nosso plano está seguro!

.
Vamos lá então juntar uns porcos… eu levo a sangria.

3 comentários:

Joana disse...

Engraçado como o rebentamento do suíno, técnica de conquista medieval, voltou a entrar no leque de tácticas do terrorista moderno.
É bom constatar que os novos terroristas/conquistadores se interessam pela história da mãe pátria e ainda procuram saciar de uma só vez a fome de terra e de bifanas dos seus compatriotas. Um bem haja a esta gente!

(Nota: A mensagem supra deve ser lida num tom jocoso e não demonstra, de modo algum, a adesão da Autora a qualquer tipo de movimento terrorista, conquistador e/ou separatista - incluindo o de Rio Tinto!)

Lord Nelson disse...

Muito obrigado pelo comentário.

Note a leitora que o movimento proposto não é um movimento terrorista... É um meio de autotutela do direito em consequência de um esbulho violento da posse e incumprimento de um contrato-promessa. Meio esse que também dá bifanas.

De referir que este blog ainda não tem posição definida quanto à "Questão Riotintense", ficando aqui ressalvada a nossa neutralidade.

Luísa disse...

e como disse alguém numa aula remota do 1ro ano: "Olivença é Nossa!!!!"
;)