A mais bela, a mais pura e a mais duradoura glória literária de prosa da blogosfera

.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

O Chuck do séc. XXI

O nosso mundo está repleto de almas absortas e anestesiadas pelos irrelevantes ensinamentos extraídos da televisão, internet e modernices no geral. Muito se critica a falta de espírito revolucionário e contestatário, diz-se que hoje em dia tudo se aceita de ânimo leve e que já não há quem faça barulho por medo do sistema, mas o que é mais que certo é que toda a regra tem a sua excepção e, no meio desta sociedade babosa existe um babão que, determinado, decide não seguir o rebanho e cumprir, ou pelo menos tentar, com o lema: fazer justiça pelas próprias mãos.

Do que me foi possível constatar através do extenuante trabalho de campo que realizei para que hoje estivesse capaz de realizar esta criação, muita gente desconhece Gary Faulkner, o californiano de 52 anos que, descontente com a falta de empenho do governo norte-americano no que concerne a reunir esforços para punir adequadamente Osama Bin Laden, (a quem se deve a chacina do 11 de Setembro de 2001), saltou do sofá e voou para o Paquistão na esperança de conseguir passar a fronteira para o Afeganistão e ter um tête-à-tête com o dito senhor, cuja localização Gary garante saber. É claro que nada disto podia ter um final feliz e o castigador dos velhacos não foi bem sucedido pois, para quem supostamente tenciona passar despercebido, andar no meio de nenhures com uma espada de um metro de comprimento, uma pistola, óculos de visão nocturna e a vaguear por áreas de segurança de forma suspeita (eu imagino como se deve ter dissipado a valentia deste herói quando caiu a noite naquele fim do mundo) não pode passar no requisito da discrição. As forças policiais de Chitral prenderam Gary, riram-se na cara dele quando este revelou o seu propósito de aniquilar Bin Laden, depois riram-se mais um bocadinho, mas quando se aperceberam que o homem estava armado até aos dentes desconfiaram da sua sanidade mental e levaram-no a conhecer as instalações da polícia para investigarem o caso como deve ser e submeter a alminha corajosa a testes médicos.



Scott Faulkner, irmão do protagonista desta história, garante no entanto que o irmão não é tontinho nenhum, apenas vive com as consequências das perdas causadas pelo atentado às Torres Gémeas e está farto de esperar que o governo norte-americano actue eficientemente. Já segue Bin Laden desde 2001 tendo-se, inclusive, deslocado ao Paquistão sete vezes sempre com o mesmo intuito. Estamos, portanto, perante um patriota ao mais alto nível, disposto a arriscar a própria vida e liberdade para apanhar e matar com os seus próprios meios um dos mais perseguidos e perigosos criminosos do mundo. Só isso, nada de especial,é normal. Como seria o encontro entre Gary e o Laden?...tenho alguma curiosidade.
Espero então, ansiosamente, que mais pessoas normais abram os olhos para as injustiças deste país e se façam notar, castiguem esses malfeitores que andam para aí a roubar o bom do português. Ah! Mas não levem uma espada de um metro por favor, uma coisinha mais discreta sim?

3 comentários:

carolina matos disse...

cara m.pompadour,

tenho que discordar!...a espada de um metro deverá ser um requisito indispensável para a qualquer tipo de punição!... não quer que esta seja substituída por um canivete suíço, pois não?
é no final de contas é tudo uma questão de estilo!... já que o objectivo ficará sempre por cumprir, ao menos que o justiceiro se apresente munido de armas brancas e de fogo que honrem o seu propósito!

e só para rematar: três vivas para o sr. Garry!...

Lord Nelson disse...

É sinal que o tamanho (da espada) importa :P

Mas gostei da sugestão... Vou já mandar preprar a minha caleche e vou à procura do Dr. Vale e Azevedo que, apesar de darem com ele, ninguém lhe consegue chegar...

ummaisumigualaum disse...

eu penso que ha ali uns moços que em Valongo fazem de conta que sao esse Sr...