A mais bela, a mais pura e a mais duradoura glória literária de prosa da blogosfera

.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Coisas do diabo

Obrigado, ilustre Sir Nelson, pela sua tão pertinente introdução à minha pessoa neste brilhante espaço de opinações e Miss Ahimsa pela nota de boas-vindas, sinto-me verdadeiramente lisonjeada por pertencer a um painel de escritores tão sérios, que procuram com tanta eloquência contribuir para uma sociedade actualizada e esclarecida e, estou ainda em dúvida se serei digna de estar entre vós.
Mas a lei da vida (e como nós percebemos de leis...), sabeis vós, é mesmo esta: opção = consequência; agora que aqui me encontro tereis de suportar a minha presença dê por onde der. Como tal, prevenindo futuros equívocos que poderão estar já de certa forma a surgir na ideia de quem segue a blogosfera e decide passar por cá, aviso aquele que agora olha para este texto de que eu não seguirei a regra dos prodigiosos escritores que me acompanham nesta dura batalha de comentar o que de mais importante sucede na nossa sociedade. Pois bem, será meu apanágio levar a esses olhinhos que não desistiram já na primeira linha de me ler, uma realidade diferente da que nos chega todos os abençoados dias aos meios de comunicação social. A minha área será o bizarro, o desinteressante, que também merecem ser evidenciados e reflectidos, (mais que não seja, para que não caíamos na tentação de nos tornarmos bizarros e desinteressantes também) e a critica social sem critério algum. Portanto, se acredita não ter vida para as coisas menos faustosas do nosso quotidiano, é só carregar ali na cruzinha vermelha que se encontra no cantinho superior direito do seu monitor, mas aconselho-o a não cometer essa loucura. Um dia explicarei por quê...

Seguindo então a linha de raciocínio que tão amavelmente me disponibilizei a expor, cabe-me, como a um Messias do século XXI, informar-vos de que as vossas preocupações com a crise devem, a partir deste preciso momento, deixar de existir. Agora mesmo! Quando todos já acreditávamos não haver solução para este mundo constantemente a definhar nas mãos da economia que anda desgovernada e dos governos que andam muito pouco preocupados em contribuir para o seu recobro (vou ser presa por dizer isto) e visualizávamos já as noites em que, inevitavelmente, seríamos obrigados a negar o pão aos nossos e a vê-los sucumbir à fome, eis que surge, da profundeza dos buracos ancestrais deste planeta (tipo a Índia) alguém que nos prova por A + B que se pode viver sem comer. Mais! Sem comer, sem beber e sem as consequências orgânicas desses dois hábitos que consideramos tão naturais e, não, não me refiro a viver.
O Sr. que se segue é Prahlad Jani, um peça rara da comunidade humana que garante não se alimentar há 70 anos e continuar tão vivinho, ou ainda mais, que qualquer um de nós.

O prodígio da Mãe Natureza tem 83 primaveras e foi sujeito aos mais variados testes da medicina, por uma equipa de 30 doutores, que comprovaram a sua desnecessidade de alimento, concluindo-se, então, que se não eram as maiores inimigas das mulheres, as calorias, a fornecerem-lhe energia para o manter activo, essa energia só poderia provir de outras fontes, como o sol. Pffff, tão simples quanto isso...andamos nós a gastar dinheiro em comida e papel higiénico e a chatearmo-nos porque os homens simplesmente se recusam a baixar as tampas das sanitas, quando podíamos muito bem fazer a fotossíntese como este amigo e revitalizar as finanças caseiras e a paciência.

Este iogue de barba longa, como é carinhosamente conhecido entre as gentes dele, admite ter sido abençoado por uma deusa quando tinha 8 anos, dando-lhe esta a fantástica capacidade de viver sem alimentos, daí que, todo o contacto que ele tem com água é quando se lava e gargareja (porque o pobre homem reza muito e seca-se-lhe a garganta com facilidade).

Agora, excluindo todas as questões lógicas que nos assaltam a mente após termos conhecimento que anda para aí gente a viver sem comer: mulheres, porque raio não fomos também abençoadas ãh? Enfim... De qualquer das formas tenho pena deste encantador senhor, poque se ele não come, não bebe, não defeca e não urina, o que raio anda ele cá a fazer? Exibicionismo? Nem sequer conhece (todos) os prazeres da vida...! Vá ser assim para outro planeta que neste ainda somos humanos com todos os predicados e você é só uma amostra de gente. Estas coisas tiram-me do sério.

2 comentários:

Joana disse...

então mas e o sol quando entra pelo senhor adentro, só lhe faz aquela pinta? Ou será a pinta um apontador de laser de uma shotgun que nunca despara? para onde vai o sol? transforma-se em quê? hum? e isso quer dizer que ele não pode usar nivea? e se tiver um melanona é uma congestão?

eu acho que se estivesse na India também não comia nem bebia água.

carolina matos disse...

oh m.pompadour!tenho que concordar com a sua pessoa!...estas coisas tiram-me do sério!
é que parece pirraça!...imagine-se que é contagioso e que chega até ao nosso meio!...daqui a pouco temos umas senhoras a tentar substituir as flores de jardim e a fazerem pouco daquelas que continuam a ter que pensar quantas calorias tem uma modesta bolachita de água e sal: "ai tu ainda comes?mas isso está tão out!...".imagine-se!...