A mais bela, a mais pura e a mais duradoura glória literária de prosa da blogosfera

.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

A tetinha nacional

Nota Prévia: Com que então o Dr. Carlos quer–se travar de razões connosco? Pois nós, do alto da nossa tribuna lhe dizemos peremptoriamente – que venha! Mas o leitor note que quando usamos a expressão de “Maria vai com todas” não colocamos o nome do nosso doutor a seguir… Ele se acusou. Pois Sr. Dr. Carlos-Maria-Vai-Com-Todas, espero-o chez moi, sábado às nove horas em ponto com os seus padrinhos. Traga revolver, que bala ofereço eu!




Quanto ao post propriamente dito:
.
Ontem íamos nós de monóculo e cartola na nossa caleche – agora que está sol - a caminho do sul, lendo a edição em papel do diário Público quando nos irritamos com uma notícia que dava conta que a Sra. Deputada Inês de Medeiros residente em Paris e eleita por Lisboa seria autorizada a colocar os seus belos lábios, de forma muito delicada na tetinha da vaca Estado, xuxando prazenteiras viagens semanais a Paris – aplicavam, dizia-se, por analogia, o regime dos deputados dos Açores e da Madeira; isto, apesar de não se tratar de coisa semelhante, pelo menos em nosso entendimento.
.
Ora, a notícia irritou-nos de tal maneira que atiramos com o jornal para o macadame, “arrebolamos” com a cartola e partimos o nosso monóculo, tal era a fúria. Foi já quando chegávamos à Invicta que tomamos conhecimento do seguinte – na reunião da administração da A.R. (vá, da gerência) o despacho que permitiria à Ilustre Deputada xuxar a viagenzinha foi a votos e empatou! Sim empatou! 97 Votos para um lado, 97 votos para o outro.
.
E assim se descobriu qual a questão essencial que divide a mente e o espírito dos ilustres representantes do povo – saber se uma deputada residente em Paris e eleita por Lisboa (não nos cansamos de referir isto, que achamos divinal) pode, ou não, ir à tetinha da mémé Estado buscar o seu bilhete da semanal…
.
O empate acabou por ser resolvido pelo voto de qualidade do Deputado José Lello (PS) que assim aprovou o despacho enviado pelo Presidente da Assembleia Jaime Gama (PS) e que recomendava pagar-se as viagens a Inês de Medeiros (PS). Agora a aprovação final dependerá apenas daquele Jaime Gama (PS).
.
Nós que admiramos o sector privado da economia, gostamos muito de fazer análises de custos/benefícios. Era útil pensar se o encargo que esta senhora se torna para as contas públicas será compensado de alguma maneira. Se não, importará pensar numa revisão das leis eleitorais para que não se permitam abusos em que algum intelectualóide armado em cidadão do mundo, insulte a inteligência dos portugueses querendo fazer-se eleger como deputado por algum círculo onde não se encontra (não dizemos que foi o que se passou neste caso até porque não gostamos de processos judiciais) – no tempo da monarquia constitucional havia casos em que tipos daqueles iam-se eleger em Freixo de Espada à Cinta, ou outra terra qualquer… Mas isso, por pior que possa parecer, é Portugal caramba!
.
Mas mais – quando se começou a discutir esta questão, esta senhora deputada terá escrito uma carta ao Presidente da A.R. dizendo que não queria ser “enxovalhada”. Pois perguntamos nós: os representantes do povo, preocuparem-se com a forma como é gasto o dinheiro do povo que ao povo é retirado, através de impostos, é enxovalho? Pois Vossa Excelência melindra-se?
.
Ora vá lá para Paris e não chateie mais nem xuxe na já mais tísica teta! Tenha alguma decência e pense nas condições em que vivem os seus compatriotas – que nem para a farmácia têm dinheiro! N’ Opinador, imbuídos de patriotismo oferecemos uma viagem, só de ida, à senhora deputada – vá lá cuchar para a Assemblée nationale !
.
Uma outra notícia também nos chamou a atenção – o estado das contas Públicas portuguesas – agora que o caso grego está mais ou menos encaminhado – merece toda a atenção dos mercados externos. Há que poupar… Mas com só alguns!

1 comentário:

Daniela disse...

Ora aqui está um texto a que eu chamo de "forrobódó do bom"! Não querendo q vossas excelências de melindrem, mas arriscando tudo, vou só sugerir que se deixem de ataques pessoais que isso não fica bem a tão ilustres drs, mais sendo característica própria dos povos medievais (com um certo grau de formação académica claro). E mais não digo, retirando-me com carinho:
Daniela Nunes. xD