A mais bela, a mais pura e a mais duradoura glória literária de prosa da blogosfera

.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

A luta nas novas tecnologias

Não queríamos deixar passar esta “semana santa da esquerda” – que vai algures do 25 de Abril ao 1 de Maio – onde reinam os conhecidos slogans revolucionários e enquanto os cravos não murcham, sem fazer um post olhando para o nosso lado sinistro (palavra italiana).

Primeira luta:


Os Homens da Luta – conhecida dupla de humoristas responsáveis pelo programa da SIC “Vai Tudo Abaixo” - lançaram recentemente o seu trabalho discográfico onde se reproduzem conhecidas cançonetas onde se descortinam influências pré-PREC, PREC e pós-PREC.
Este vosso amigo confessa gostar por vezes de ouvir estes senhores pois representam uma esquerda que já não existe no quadrante político, com slogans desajustados da realidade e apelam a modelos externos que já não existem – como o caso da URSS – mas que neste nosso pais sui generis continua a ter apoiantes, personificados naqueles combatentes do capitalismo, dos tempos do período revolucionário em curso e que podem identificar-se pelos bigodes e patilhas que ainda usam (e que resistem à mudança, tal qual as suas ideologias) e pelo uso reiterado do vocábulo “pá”.
Ora esta obra tem por nome LPOD e a grande inovação prende-se com o suporte utilizado – pelos quase €15 que custa não se compra um CD mas antes um leitor de mp3 que trás as músicas daqueles senhores. Ouvimos o humorista Jel – em entrevista na rádio Comercial – explicar, com grande conhecimento do mercado – o porquê desta aposta: ora o mercado discográfico parece, segundo ele, um minimercado em Joanesburgo em dia de pilhagens em que cada um pode entrar e “sacar” o que bem lhe aprouver. Ora o Steve Jobs (da Apple) está à porta desse supermercado a vender os sacos onde se podem depositar os espólios. A ideia – original, acrescentámos nós – do humorista foi passar também a vender os sacos. Assim não se compra só a obra; adquire-se um aparelhómetro.

Segunda luta:



Na Venezuela, também recentemente, passou-se uma norma pela qual as estações de televisão privadas eram obrigadas a transmitir os frequentes discursos do presidente na íntegra. Na boa tradição de ditador sul-americano de inspiração marxista, o Sr. Chávez tem o hábito de falar durante horas sobre tudo e mais alguma coisa naquele tom paternalista e cínico que já lhe conhecemos.
Ora tal “pastilha” pode estar em perigo pois o Senhor Presidente aderiu ao Twitter. Para quem não sabe aquela plataforma permite apenas mensagens de 140 caracteres… Ora e com aquela adesão um dos patrimónios históricos da América do sul – ditadores com diarreias verbais frequentes – corre o risco de se perder. Quem haveria de dizer que seria uma empresa norte-americana a moderar o discurso de Chávez? E esta hein?

.
Despedimo-nos do leitor, desejando um bom fim-de-semana e um produtivo primeiro de Maio! Até para a semana camaradas…

2 comentários:

Daniela disse...

O que o vosso blog me faz lembrar:

http://www.youtube.com/watch?v=OObyk3eZf50

Samuel Ribeiro disse...

Acho que o esse Sr. não sabia da limitação do Twitter!!!